Sala de Imprensa


Mapa de Risco Político Mundial 2014
| Share

45% dos paises com maiores oportunidades apresentam um risco político "elevado" ou "extremo"

  • O número de países classificados como de risco elevado ou extremo, para o investimento directo estrangeiro, cresceu de 32% em 2012 para 36% em 2014
  • A Síria é o segundo país com maior risco político
  • O Norte de África e o Médio Oriente vivenciam um aumento da violência política para o investimento estrangeiro devido à "Primavera Árabe"

Quase metade (45%) dos principais mercados que oferecem maior potencial de crescimento para as Empresas em 2014 têm um Risco político "Extremo" ou "Elevado" para o investimento directo estrangeiro, estando na liderança a Índia, a China e a Indonésia. Uma das conclusões do Mapa de Risco Político Mundial elaborado pela Marsh, a maior consultora de riscos e seguros a nível mundial, em parceria com a Maplecroft.

Produzido em conjunto pela Especialidade Global de Riscos Políticos & de Crédito da Marsh e a empresa de análise Maplecroft, o mapa, publicado anualmente, demonstra os Riscos Políticos Mundiais de 2014 e destaca os riscos políticos dinâmicos de 197 países, nomeadamente os conflitos, o terrorismo, a estabilidade macroeconómica, o estado de direito, e os ambientes regulatórios e de negócios.

Dos 17 países que sofreram um maior aumento no seu nível de risco político desde 2010 (de um total de 197), nove deles estão na região do Médio Oriente e Norte da África, região em que aumentaram os índices dinâmicos de risco político devido à instabilidade e incerteza criadas após o despertar da "Primavera Árabe".

Na verdade, o mapa revela que, desde 2010, mais de 60% dos países desta região têm experimentado um aumento significativo do nível de violência política, o que ilustra as implicações para as Empresas que as mudanças forçadas de regime produzem a longo prazo.

A análise revela que o número de países com Risco Político "Extremo" ou "Elevado" cresce, atingindo 36% em 2014, mais 12,5% do que em 2012. Enquanto a Somália se mantém como o país mais controverso para o investimento estrangeiro, a Síria foi o país com o aumento mais significativo de risco, situando-se em 2014 como o segundo país com maior risco político, seguido pelo Afeganistão, Sudão e Congo. Além disso, devido ao rating de violência política, é classificado pela primeira vez o Egipto como o país com risco "extremo", uma detioração impulsionada pela violência do pós-golpe de Estado e o aumento da actividade terrorista na Península do Sinai.

Ressalte-se ainda que, a maioria dos países que tiveram um maior aumento da violência política durante o ano passado concentraram-se na África Oriental, de acordo com o mapa. "O aumento da violência política na África Oriental coloca desafios importantes para os investidores estrangeiros que se sentem atraídos pela descoberta de reservas substanciais de petróleo e gás na região, bem como para aqueles cujo negócio possa ser afectado pelo aumento imprevisto do preço do petróleo e seus derivados", afirma Fernando Chaves, Líder de Risco Político & Risco de Crédito da Marsh em Portugal.

Apesar destes riscos, os investidores podem encontrar oportunidades nos mercados em crescimento, afirma Fernando Chaves: "O mapa mostra que o Risco Político melhorou significativamente desde 2010 em seis mercados em crescimento: Índia, Filipinas, Uganda, Gana, Israel e Malásia. Esta melhora constante reflecte em parte um declínio da violência política nas Filipinas, Índia e Uganda, e melhoras significativas nos níveis de governo na Malásia e Israel ", afirma o especialista. "O ambiente empresarial e macroeconómico positivo também contribuiu para reduzir o nível geral do risco nestas economias-chave", acrescenta.

"Apesar da aposta na internacionalização através do investimento directo estrangeiro e de contratos internacionais para fazer face à incerteza ou bloqueio da economia portuguesa, as Empresas não deixam de continuar a operar num cenário político global altamente volátil que pode mudar e intensificar-se rapidamente com consequências negativas", assegura o líder de Risco Político da Marsh Portugal.

"É imprescindível que as empresas se mantenham a par tanto das questões chave que afectam as regiões em que operam e tenham planos para proteger os seus interesses estratégicos das ameaças para as suas operações, as mudanças políticas imprevistas e a violência política", aconselha Fernando Chaves. (Ver mapa em anexo ao mail).

Análise de Portugal

No que diz respeito a Portugal, 90% das Exportações realizadas em 2013 estão concentradas em 32 países, sendo que mais de 50% do valor dessas exportações ocorre para países de destino cujo risco político, segundo a Marsh e a Maplecroft, é médio ou elevado.

A procura de mercados fora do leque da OCDE, que têm registado maiores índices de crescimento ou um maior leque de oportunidades, nomeadamente em termos de grandes projectos de investimento e infra-estruturas, levou igualmente a uma maior exposição ao risco político, seja ele pelo facto de os países de destino registarem cenários de incerteza ou por se encontrarem numa envolvente geopolítica instável cujas tensões podem afectar múltiplos países devido a problemas de confrontos sociais, guerras, motins, ou mesmo eventos catastróficos.



 

Contacto
Vânia Filipa Silva
Líder de Marketing & Comunicação
Lisbon, Portugal
VaniaFilipa.Silva@marsh.com

Sobre a Marsh
A Marsh é líder global em corretagem de seguros e consultoria de riscos. A Marsh ajuda os seus clientes ao definir, desenhar e desenvolver soluções inovadoras específicas para cada sector de actividade que os ajudam a gerir o risco de maneira eficiente. Os aproximadamente 30.000 colaboradores da Marsh trabalham em conjunto para servir clientes em mais de 130 países. A Marsh é uma subsidiária integral do Grupo Marsh & McLennan Companies (MMC), uma empresa global de serviços profissionais que oferece aos clientes consultoria e soluções nas áreas de risco, estratégia e capital humano. Com 60.000 empregados em todo o mundo e receitas anuais que excedem os 13 biliões de dólares, a Marsh & McLennan Companies também é a casa-mãe da Guy Carpenter, líder global em prestação de serviços intermediação de risco e resseguro; a Mercer, líder global em consultoria de talento, saúde, reformas e investimento; e a Oliver Wyman, líder global em consultoria de gestão. Siga a Marsh no Twitter @MarshGlobal, ou no LinkedIn, Facebook e YouTube.