Sala de Imprensa


Mundo mais em risco - Mais tempestades económicas e naturais, revela o relatório Global Risks 2013
| Share

O Mundo está mais e m risco com o arrastamento da crise financeira e pela falta de capacidade para enfrentar os desafios naturais e ambientais, de acordo com o Relatório Global Risks 2013.

O relatório realça as falhas de riqueza (severas di sparidades de receitas), acompanhadas pela dívida pública (crónicos desequilíbrios fiscais) como os dois principais riscos globais, resultado de uma sondagem de 1.000 especialistas e líderes empresariais, o que reflecte um retrato geral ligeiramente mais pessimista para os próximos dez anos.

Na sequência de um ano marcado pelas condições meteorológicas extremas, do furacão Sandy às cheiasna China, os especialistas consideraram o aumento das emissões de gases de efeito de estufa como o terceiro maior risco global, enquanto a incapacidade de adaptação às mudanças climatéricas foi considerada como o risco ambiental com maiores efeitos de prolongamento para a próxima década.

"Estes riscos globais são essencialmente um alerta em relação aos nossos sistemas mais críticos", afirma Lee Howell, editor do relatório e Director Executivo do Fórum Económico Mundial. "A resiliência nacional para os riscos globais precisa de ser uma prioridade, para que os sistemas críticos possam continuar a funcionar, apesar das grandes alterações", acrescentou.

Axel P. Lehmann, da Zurich, disse: “Perante o custo crescente de acontecimentos como a super tempestade Sandy, as gigantescas ameaças aos países ilhas e às comunidades costeiras, e sem resolver a questão das emissões de gases de efeito estufa, as evidências são claras. Chegou o momento de agir."

O relatório Global Risks 2013 analisa as três principais preocupações de riscos globais:

  1. Saúde e Arrogância
    Enormes avanços no campo da saúde deixaram o mundo perigosamente complacente. A crescente resistência a antibióticos pode levar os sistemas de saúde a um colapso, enquanto que um mundo hiper conectado facilita a disseminação de pandemias. Este risco estabelece as relações entre a resistência aos antibióticos, as doenças crónicas e o fracasso do regime internacional de direitos de propriedade intelectual, recomendando uma maior colaboração internacional e diferentes modelos de financiamento.

  2. Economia e Ambiente sob stress
    Os urgentes riscos socio-económicos estão a fazer derrapar os esforços para ultrapassar os desafios colocados pelas mudanças climatéricas. Preconceitos cognitivos inerentes fazem com que a comunidade internacional esteja relutante em lidar com esta ameaça de longo prazo, apesar dos extremos eventos climáticos ocorridos recentemente. Num momento em que as mudanças estruturais estão a acontecer na economia e no ambiente, esta questão requer novas abordagens para que sejam realizados os investimentos estratégicos necessários para evitar os piores cenários de ambos os sistemas.

    John Drzik, da Marsh & McLennan Companies, comentou: "Duas tempestades – a ambiental e a económica – encontram-se em rota de colisão. Se não alocarmos os recursos necessários para mitigar o risco crescente dos eventos climáticos severos, a prosperidade global das gerações futuras pode estar ameaçada. Os líderes políticos e empresariais, bem como os cientistas devem unir-se para a gestão destes riscos complexos."

  3. Crises Digitais
    Da imprensa à Internet, sempre foi difícil prever como as novas tecnologias podem moldar a sociedade. Apesar de muitas vezes constituir uma força para o bem, a democratização da informação também pode ter consequências voláteis e imprevisíveis, como se pode constatar com os tumultos provocados pelo filme anti-islâmico colocado no YouTube. Este caso mostra como a conectividade possibilita que as crises digitais se espalhem e coloca a questão do que se pode fazer para evitar isso.

Nenhum país sozinho pode prevenir a ocorrência de riscos globais exógenos, o que torna a resiliência nacional um elemento crucial como primeira linha de defesa.

O relatório descreve 50 riscos globais e agrupa-os por categorias económicas, ambientais, geopolíticas, sociais e tecnológicas, classificados em termos de possibilidade e impacto. O relatório também realçaos "Factores X" – preocupações crescentes que justificam análises mais aprofundadas.

Junto enviamos o link para o download do Relatório Global Risks 2013: www.weforum.org/globalrisks2013



 

Contacto
Vânia Filipa Silva
Líder de Marketing & Comunicação
Lisbon, Portugal
VaniaFilipa.Silva@marsh.com

Sobre a Marsh
A Marsh é líder global em corretagem de seguros e consultoria de riscos. A Marsh ajuda os seus clientes ao definir, desenhar e desenvolver soluções inovadoras específicas para cada sector de actividade que os ajudam a gerir o risco de maneira eficiente. Os aproximadamente 30.000 colaboradores da Marsh trabalham em conjunto para servir clientes em mais de 130 países. A Marsh é uma subsidiária integral do Grupo Marsh & McLennan Companies (MMC), uma empresa global de serviços profissionais que oferece aos clientes consultoria e soluções nas áreas de risco, estratégia e capital humano. Com 60.000 empregados em todo o mundo e receitas anuais que excedem os 13 biliões de dólares, a Marsh & McLennan Companies também é a casa-mãe da Guy Carpenter, líder global em prestação de serviços intermediação de risco e resseguro; a Mercer, líder global em consultoria de talento, saúde, reformas e investimento; e a Oliver Wyman, líder global em consultoria de gestão. Siga a Marsh no Twitter @MarshGlobal, ou no LinkedIn, Facebook e YouTube.